A PROCISSÃO DOS MORTOS

(VALENÇA DO PIAUÍ – PI)

18302300_288058101618566_1688496071_n
Ilustração: Douglas Viana

Dizem que há uns anos atrás, morava na Rua do Maranhão, em Valença, Prisilina, uma daquelas beatas velhas de igreja que nada têm de cristãs e que passam a noite olhando os acontecimentos da vida noturna para no dia seguinte fuxicar da vida alheia.

Certa vez, em uma quarta-feira de cinzas, estava lá a velha na janela . Já passava da meia noite, quando ao longe, viu uma procissão se aproximando. A velha estranhou na hora, pois sabia tudo que acontecia na cidade e, com certeza,  não havia nenhuma procissão marcada para aquele dia, quanto mais àquela hora. Como frequentava a igreja, que era ali pertinho, sabia que o padre sempre mandava tocar o sino antes de uma procissão.

Mas seus olhos não podiam estar lhe enganando. era, de fato, uma procissão que vinha ali. E que procissão mais estranha. Toda a gente com uma longa túnica branca, com a cabeça coberta por um capuz da mesma cor. Como a noite estava escura e o capuz sombreava o rosto não dava pra identificar quem eram as pessoas. À frente do cortejo vinha um padre esquisito: alto, magro e pálido, com olheiras sob os olhos, o sacerdote, que não era o mesmo que a velha costumava ver nas missas da paróquia, usava uma batina preta e levantava acima da cabeça uma enorme cruz invertida.

Prisilina, como toda boa fuxiqueira, ficou olhando a estranha procissão por longo tempo, até que, quando já estava perto do fim, alguém para na janela da velha e lhe entrega uma vela, recomendando, com voz gélida, que guardasse a mesma que retornaria na noite seguinte para buscar. A mulher estranhou mas assim fez. Guardou a vela e, como a procissão chegava ao fim, foi dormir.

No dia seguinte, ao acordar, resolveu checar se aquilo não havia sido um sonho. A velha ficou branca como o manto daqueles que caminhavam na procissão: no lugar da vela havia agora um fêmur humano. O susto foi tão grande que a velha caiu dura no chão . Ao acordar, corre à casa do Padre Acelino, que lhe informa de que, de fato, não houve nenhuma procissão, e recomenda à velha que passe o dia a orar muito afim de afastar a assombração antes que ela volte como prometido.

Assustada, a velha põe-se a rezar. Reza sem parar o dia inteiro segurando as contas do rosário nas mãos, até que, à noite, na mesma hora do dia anterior, a alma penada retorna à janela, e demonstrando estar chateada, recebe o osso de Prisilina. “Rezar foi a tua salvação! Essas são as horas da noite em que os mortos pagam suas penitências. Cuide de dormir cedo, pois a procissão dos mortos não deve ser vista pelos viventes”. Logo que a entidade segue seu caminho, a procissão desaparece perante os olhos incrédulos de Prisilina.

A velha nunca mais ficou curiando a rua tarde da noite. Dizem que hoje ela recomenda que não o façam. A lição de que não se deve receber nada de estranhos é antiga, mas a velha fuxiqueira, em sua curiosidade, pagou o preço. Fato é que nunca mais Prisilina ficou na janela tarde da noite, e, ao menos na quarta-feira de cinzas, é certeza que nenhuma fuxiqueira se atreve a vigiar as ruas…

LR_procissao-das-alma-em-Mariana-MG_002

TEXTO: José Gil Barbosa Terceiro

FONTES:

http://tribunadevalenca.com/elementos-da-nossa-cultura/

http://www.piracuruca.com/index.php/lendas-e-folclore/121-a-procissao-dos-mortos

 

3 comentários em “A PROCISSÃO DOS MORTOS

Adicione o seu

  1. Triste do povo que não tem, seus mitos, suas lendas e assombrações, os causos, estes sim, são indispensáveis porque permeiam entre a realidade a ficção porque retrata a cotidianidade do próprio. A Procissão dos Mortos e/ou Procissão dos “Difuntos, das Almas, não importa, tudo é Procissão, ainda ocorre e atualmente já subiu até a Rua São João, alguem já viu. Eu, morro de medo! Mas se um dia vieres a Valença, não receba vela de estranhos, pode ser a Prisilina, transformada de outra personagem para lhe entregar a vela e no outro dia, haja Deus, encontrar uma criança por nome Maria, nessa proximidade dos anos 20 do século XXI, é meio complicado, porque não pode ser da Penha, Conceição, Violeta, Francisca, de Jesus e tantas outras personificação de Marias, é “Maria Só”, nem do Socorro pode. Uma grande rival dela é a “Fuxa”, imagino um dia quando Prisilina, conseguir entregar a vela para “Fuxa”, o inferno que vai ser! Mas, quem sabe, dentedebaleia.blogspot.com.br e causos assustadores do piauí, poderão fazer a mediação e tudo terminará num mergulho ou no Balneário Santa Rosa, ou mesmo na Cachoeira da Fazenda Velha, porque no Brasil é que tudo termina em Pizza, aqui em cultura! Valeu amigo! Muito grato pelo texto e inclusão da lenda valenciana no seu blog.

    Curtir

  2. Pois num é que Maria Benedita, queria virar pedra! Eita povo danado! Antonio da Rocha, não deixou, mas ela chorou que nem criança! Foi na casa da Clara, comprou um quilo de doce de buriti, e disse: tu me paga! Não me levou para Valença, para fugir da morte! Mas tu vai comer este quilo de doce de buriti, e amanhã, cedo, a colerina vai ser de arrepiar e ainda vou te dar para fazer limpeza, folha de cansanção, urtiga de boi, só para te arrebentar, antes que da morte chegar. Maria Benedita fez tudo isso, Antonio da Rocha. comeu todo doce se desmanchou em merda e a velha ainda durou dez anos, mas queria mesmo era virar pedra. Causo ocorrido na comunidade Corrente, a seis quilometros da cidade de Valença do Piauí, por volta dos anos quarenta do século XX.

    Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Crie um website ou blog gratuito no WordPress.com.

Acima ↑

VEJA.com

Notícias sobre política, economia, celebridades, mundo e esportes. Coberturas e reportagens especiais em TVEJA.

Me desculpem, não foi de propósito!

Devaneios irreais sobre uma vida real.

O FOLCLORE BRASILEIRO

O Folclore é uma das nossas mais importantes culturas. Vamos manter a tradição, cultivá-la, divulgá-la, usufruí-la etc.

Se Conto Ninguém Acredita

Histórias de um Subconsciente Pouco Convencional

Colecionador de Sacis

Desde 2015 tirando o folclore da garrafa

Raiz Cultural

Consolidando Cultura Piauiense

Causos Assustadores do Piauí

Mitos, visagens, lendas, ovnis, ets, fenômenos e causos assombrosos do Piauí

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: