A BESTA FERA

(Amarante – Piauí)

besta fera
Ilustração: Douglas Viana

Conta-se em Amarante a lenda de um bicho feio que devora os pecadores naquela terra. O bicho é tão feio que as pessoas nem sabem dizer direito como que ele é. Tem gente que diz que ele é meio homem, meio cavalo, mas, diferente do Centauro, anda em  pé, tem cabeça de lobisomem e olhos vermelhos como fogo. Outras pessoas teimam em dizer que a criatura não tem cabeça e falam que, quando quer correr mais rápido, anda de quatro pés. Ao que falam, seus dentes e unhas são de aço, e com eles rasga e devora as suas vítimas, pisando com os cascos sobre os restos mortais até que não sobre quase nada, além de uma pasta de carne, sangue e ossos no chão. O bicho, pelo que contam, é mesmo horrível! Tanto que falam que muitas de suas vítimas morrem de susto mesmo antes de serem devoradas.

Quando o bicho começou a aparecer naquela região, muitos foram devorados tarde da noite, até porque não se esperava a aparição do monstro, que, segundo dizem, teria sido libertado do inferno para punir os pecadores. Nos primeiros ataques foram tantos os devorados que tem quem diga que a fera tem um oco na barriga, como se os devorados não fossem digeridos, mas transportados para outra dimensão, muito provavelmente o inferno, pois não caberia nela aquele tanto de gente. Para uns, a criatura seria o próprio capeta, mas tem quem diga que seria ela a mãe dos demônios. Há quem diga que é ela um sinal das profecias que falam do fim dos tempos. A chegada da figura do cão, anunciada por Padre Cícero, que iniciaria uma era de desgraças no mundo, que culminaria com o apocalipse. A verdade, acredita-se, é que ninguém sabe direito o que ela é…

Depois de um bom tempo, do bicho aparecendo, o povo já conhecia que quando se ouvia barulhos furiosos de cascos em cavalgada a altas horas da noite acompanhados de um rosnado furioso era o sinal de que a besta fera se aproximava. Nessas ocasiões a rua podia ter gente o quanto fosse, mas ficava deserta em segundos. Todos corriam e se trancavam em suas casas. Para evitar que o bicho invadisse as residências, desenhavam nas portas e janelas o sinal da cruz.

De fato, o bicho podia ser o diabo, tanto que passava a léguas do que era bendito. Só símbolos sagrados e uma fé enorme pareciam afugentar a fera. Os poucos que acreditavam verdadeiramente em Deus, sem hesitações, pareciam ter o poder de botar aquela figura do cão para correr ao orarem o “credo”. O poder das palavras daquela oração, ao que dizem, é enorme para afastar as criaturas das trevas. Contudo, se a pessoa é daquelas que vacila em sua fé, que sabe que não se garante, é sempre bom, por via das dúvidas, carregar consigo um punhal de prata, única coisa que dizem ser capaz de matar a monstruosidade.

A desgraçada da besta não tem dia certo para aparecer. Muita gente até evita sair de casa depois de certa hora temendo encontrar a fera bestial. Dizem alguns que nos dias em que não aparece ali está a rondar em outras cidades do Piauí em busca de carne contaminada por pecado. Ao que parece tem ela uma preferência em devorar os amancebados, maioria de suas vítimas, principalmente quando são compadres, pois aí o pecado nessas pessoas é maior. Mas o certo é que ela não dispensa pecador nenhum.

O leitor até pode dizer que não acredita nessas coisas, mas isso não vai colocá-lo a salvo da besta fera. Ela até parece saborear com mais gosto as vítimas quando estas são descrentes que é para largarem de ser céticas e verem que nem tudo que existe é aquilo em que acreditam, de modo que muitos assim já foram rasgados pelos seus dentes, ainda sem acreditar no que estava acontecendo.

Em Amarante, ninguém mais duvida. Todos já ouviram os cascos cavalgando velozmente pelas madrugadas, mas quem não acredita é muito fácil checar. Pratique um pecado imundo e saia pelas madrugadas daquela cidade. Se ela não existir mesmo, não há motivo para ter medo. O ruim é se der de cara com ela na rua deserta em plena madrugada. Aí, enquanto ela rasga sua carne, o leitor vai lembrar que eu avisei…

TEXTO: JOSÉ GIL BARBOSA TERCEIRO

REFERÊNCIAS:

 

2 comentários em “A BESTA FERA

Adicione o seu

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

VEJA.com

Notícias sobre política, economia, celebridades, mundo e esportes. Coberturas e reportagens especiais em TVEJA.

Me desculpem, não foi de propósito!

Devaneios irreais sobre uma vida real.

O FOLCLORE BRASILEIRO

O Folclore é uma das nossas mais importantes culturas. Vamos manter a tradição, cultivá-la, divulgá-la, usufruí-la etc.

Se Conto Ninguém Acredita

Histórias de um Subconsciente Pouco Convencional

Colecionador de Sacis

Desde 2015 tirando o folclore da garrafa

Raiz Cultural

Consolidando Cultura Piauiense

Causos Assustadores do Piauí

Mitos, visagens, lendas, ovnis, ets, fenômenos e causos assombrosos do Piauí

%d blogueiros gostam disto: