A LENDA DA PEDRA DO LETREIRO DE BURITI DOS LOPES

(Buriti dos Lopes – Piauí)

 

Pedra-do-Letreiro-3

 

INFORMAÇÕES SOBRE A PEDRA DO LETREIRO DE BURITI DOS LOPES*

 

Um de nossos mais ricos tesouros históricos fica a menos de 4 km de Buriti dos Lopes: a Pedra do Letreiro (como assim ficou conhecida) é uma prova concreta de que no local onde hoje encontra-se a cidade já vivam povos primitivos.

Infelizmente por falta de estudos mais aprofundados  ainda não é preciso afirmar se esses antigos moradores eram pertencentes de tribos indígenas ou seres pré-históricos. O que se sabe de verdade é que “ela” faz parte de um importante complexo de sítios arqueológicos da região norte do estado do Piauí formado pelo Arco do Covão (Caxingó), Parque Nacional Sete Cidade (Piracuruca) e sítio arqueológico de Bom Princípio. Todos eles são provas reais de que muito antes da chegada de nossos colonizadores a região já era habitada.

Na pedra do Letreiro é possível verificar inúmeras pinturas rupestres ou parietais, elas possivelmente eram produzidas para representar situações vivenciadas no cotidiano de nossos ancestrais, costumavam utilizar tinturas com pigmentação avermelhada (ocre),  normalmente era comum que eles preenchessem o tempo vazio entre uma caçada e outra realizando tal atividade. Triste é constatar que muitos não sabem valorizar aquilo que possuem, boa porte do painel encontra-se depredada ou pichada pela ação de pessoas sem o devido senso de preservação.

 

pedra-do-letreiro-141

 

A LENDA DA PEDRA DO LETREIRO**

 

Há 500 anos o mar saía daqui e deixava sua marca, criando um grande vale  formado por paredões de pedra dos dois lados, esse vale é conhecido hoje como riacho de São Cosme. Cosme foi o valente cacique dos Tremembés, considerado o mais poderoso dessa região, sua tribo era formada por fortes guerreiros que provavelmente foram os primeiros seres viventes de nossa terra.

Naquela época a maior concentração de indígenas no nosso estado ficava em São Raimundo Nonato, haviam também outras tribos vivendo em Sete Cidades, assim como, mais próximos daqui, viviam na Serra do Morcego ou Arco do Covão a tribo dos Alongás.

A Aldeia do Cacique Cosme era protegida pela densa mata, que sempre verde e exuberante, era habitat de rica fauna, peba, tatu, juriti e jacu eram facilmente encontrados, quem se aproximava da tribo era descoberto pelo alarme do Quenquém, o assobio do macaco e os gritos da guariba.

No vale do São Cosme nasceu, escorrendo de cima de uma ribanceira na chapada dos Fernandes, um forte olho d’água que passava em frente a aldeia do valente guerreiro, aquele riacho era formado por águas doce e cristalinas que foram essenciais para a sobrevivência dos nativos, em seu curso surgiram vários tanques apropriados para o banho, em um deles, especialmente refrescante, era o local preferido das três jovens e encantadoras filhas do Cacique Cosme.

Certa vez as lindas jovens foram surpreendidas por três sedutores guerreiros Alongás, filhos do Cacique Senaqueribe, moradores da Serra do Morcego, eram inimigos dos Tremembés. Os guerreiros Alongás vendo aqueles lindos corpos nus devoraram de uma só vez a virgindade daquelas moças, porém antes que pudessem fugir foram capturados pela tribo rival, foram presos e mal tratados, o velho Cosme queria sacrificá-los pela desonra de suas filhas, felizmente a sorte sorriu para um deles que conseguiu fugir levando consigo o tesouro da tribo, chegando em sua terra avisou a Senaqueribe , e assim estava deflagrada a guerra entre as duas nações.

Percebendo a fuga de um dos guerreiros, Cosme ficou em alerta, foi decretado que a tribo toda se organizasse para  uma possível invasão, a redondeza foi vigiada e em toda a extensão do grande vale, até a saída que vai para a Lagoa Grande do Buriti, foi determinado que em cima dos morros, de um lado e do outro, ficassem guerreiros armados esperando a entrada de tropas inimigas que desejassem libertar os prisioneiros que se encontravam reféns em poder dos Tremembés. Naquele momento, o Cacique Cosme esturrava furioso de saber que suas filhas foram violentadas pelos inimigos, e que mesmo estando presos não confessavam a prática de tal ato, nem diziam onde tinha ido parar o tesouro.

Cosme desiludido resolveu registrar no paredão de pedras, que ficava no centro da aldeia, a sentença que seria aplicada a seus inimigos, daí o nome “Pedra do Letreiro”. O cacique pediu ao pagé que fizesse um feitiço, uma maldição para que seu tesouro se encantasse onde ele estivesse, e que jamais fosse encontrado, o pagé seguiu as ordens do cacique, porém estabeleceu que se em algum dia alguém conseguisse decifrar o que foi escrito no paredão aquele tesouro reapareceria.

Senaqueribe pediu para que seus guerreiros surpreendessem os rivais, e quando os Tremembés não mais esperavam foram atacados, os Alongás entraram de vale a dentro com sua  forte caravana, armados até os dentes com tacapes, flechas e lanças, e assim naquela noite de lua cheia, depois de uma forte resistência conseguiram invadir a tribo, matar seu líder e quase todos de sua nação, a violência foi tamanha chegando ao ponto do riacho ficar escorrendo por muitos dias tinta de sangue.

Depois do confronto as jovens índias foram levadas por seus algozes para viver com eles no Arco do Covão, o coração das jovens se partiu de dor, elas não queriam abandonar sua aldeia, e despedindo-se do lugar e do corpo do velho pai choraram sem parar, e até pouco tempo na gruta formada pela grande pedra, pingava gotas d’água como se fossem as lágrimas de saudade de seus legítimos donos. E daquele riquíssimo tesouro, que foi saqueado e nunca encontrado, hoje só restam as estórias fantasiosas que são passadas de geração em geração.

 

pedra-do-letreiro-811

 

* A primeira parte do texto acima foi escrita pelo Professor Francisco Gildazio, que é colunista do Portal Buritiense, onde foi publicado o texto.

** A segunda parte do texto acima (referente à lenda) foi escrita por Nenem Calixto e pelo Professor Francisco Gildazio, ambos colunistas do Portal Buritiense, onde foi publicada a matéria.

 

POSTADO POR JOSÉ GIL BARBOSA TERCEIRO

 

FOTOS: PORTAL BURITIENSE

 

FONTE:

https://www.portalburitiense.com.br/2011/04/06/lenda-da-pedra-do-letreiro-%E2%80%93-a-gruta-de-sao-cosme/

https://www.portalburitiense.com.br/2010/10/27/pedra-do-letreiro/

Os comentários estão encerrados.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

VEJA.com

Notícias sobre política, economia, celebridades, mundo e esportes. Coberturas e reportagens especiais em TVEJA.

Me desculpem, não foi de propósito!

Devaneios irreais sobre uma vida real.

O FOLCLORE BRASILEIRO

O Folclore é uma das nossas mais importantes culturas. Vamos manter a tradição, cultivá-la, divulgá-la, usufruí-la etc.

Se Conto Ninguém Acredita

Histórias de um Subconsciente Pouco Convencional

Colecionador de Sacis

Desde 2015 tirando o folclore da garrafa

Raiz Cultural

Consolidando Cultura Piauiense

Causos Assustadores do Piauí

Mitos, visagens, lendas, ovnis, ets, fenômenos e causos assombrosos do Piauí

WordPress.com em Português (Brasil)

As últimas notícias do WordPress.com e da comunidade WordPress

%d blogueiros gostam disto: